Osteopatia

A osteopatia foi desenvolvida por Andrew Taylor Still, médico e cirurgião nos Estados Unidos da América em meados do século XIX, que estabeleceu a primeira escola independente de osteopatia em 1892. Também chamada de medicina osteopática, a Osteopatia depende do contato manual para diagnóstico e tratamento. A prática respeita a relação do corpo, mente e espírito em saúde e doença; enfatiza a integridade estrutural e funcional do corpo e da tendência intrínseca do corpo à autocura.

Osteopatas utilizam uma ampla variedade de técnicas manuais terapêuticas para promover a melhora de seus pacientes. Os médicos osteopatas usam seu entendimento da relação entre estrutura e função para otimizar a auto-regulação e auto-recuperação do corpo capacidades. Essa abordagem holística do atendimento e da cura do paciente baseia-se no conceito de que um ser humano é uma unidade funcional dinâmica, na qual todas as partes são inter-relacionadas e que possui sua própria auto-regulação e mecanismos de auto-cura. Vale destacar que a prática da osteopatia é distinta de outros cuidados de saúde, como fisioterapia ou quiropraxia, apesar de alguma sobreposição nas técnicas e intervenções empregadas.